Notícias
Restaurantes não podem ratear gorjeta de garçons

Negociação coletiva que autoriza retenção ou divisão de valores arrecadados para garçons, a título de gorjeta, viola direitos do trabalhador. Foi com esse entendimento que a 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho concedeu as diferenças salariais a um empregado do hotel Convento do Carmo, que tinha os 10% pagos pelos clientes rateados entre o sindicato da categoria e a própria empresa.
O relator do recurso, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, deu razão ao empregado e deferiu as diferenças pleiteadas. Ele explicou que os 10% pagos a título de taxa de serviço pertencem aos empregados. "A distribuição de apenas parte do total pago pelos clientes caracteriza ilícita retenção salarial, cabendo a devolução ao empregado da parcela retida", concluiu.
O ministro esclareceu, ainda, que os acordos coletivos de trabalho são constitucionalmente reconhecidos, mas eles "encontram limites nas garantias, direitos e princípios previstos na Carta Magna". Assim, a norma que estabeleceu a retenção dos 10% violou direitos "não sujeitos à negociação coletiva".
Para Corrêa da Veiga, extrai-se do o artigo 457 da CLT que "incluem-se na remuneração do empregado as quantias pagas, espontaneamente ou não pelos clientes como forma de reconhecimento pelo bom serviço prestado".
Na ação trabalhista movida contra hotel baiano, o empregado alegou que foi contratado para receber o piso salarial, acrescido de 10% a título de taxa de serviço cobrada dos clientes. No entanto, a empresa não cumpria o contrato e dividia os 10% com o sindicato profissional, além de reter 37% para si, restando apenas 40% da gorjeta para o garçom. O trabalhador pretendia receber as diferenças salariais, mas a empresa se defendeu e afirmou que agiu amparada por acordo coletivo de trabalho.
A Justiça indeferiu o pedido de diferenças pleiteadas pelo empregado e considerou válidos os acordos coletivos. Essa decisão foi mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), que concluiu que "os acordos coletivos anexados ao processo respaldam o procedimento adotado pela empresa", pois estão ajustados com a participação da entidade sindical da categoria e, portanto, possuem presunção de licitude.
Indignado, o trabalhador recorreu ao TST e afirmou a nulidade do acordo coletivo, prejudicial aos empregados, pois determina a divisão da taxa de serviço, mas não estabelece qualquer vantagem para o empregado.
A decisão foi unânime para deferir o pedido de diferenças salariais em face da indevida retenção, bem como reflexos. Contra essa decisão, a empresa interpôs Embargos Declaratórios, ainda pendentes de julgamento. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.
RR - 291-16.2010.5.05.0024


Revista Consultor Jurídico, 22 de novembro de 2012
Todas Notícias:

[ + ] AUXILIO-DOENÇA ou APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CANCELADOS
[ + ] Reajuste do FGTS gera defasagem de até 88,3% - Informe-se!
[ + ] Bancos e financeiras não podem terceirizar promotores de vendas
[ + ] Como fica o Divórcio em cartório com a Nova Lei?
[ + ] Restaurantes não podem ratear gorjeta de garçons
[ + ] É abusivo seguro que limita cobertura a furto apenas qualificado
[ + ] Decisão garante equiparação entre terceirizada e empregados da CEF
[ + ] SERVIDORES - Desconto em folha de servidor deve se limitar a 30% dos vencimentos
[ + ] Plano de saúde é condenado por recusar o custeio de internação
[ + ] Seguradora tem obrigação de indenizar por morte
[ + ] Telefônica pagará por mudança de plano sem aviso a cliente
[ + ] Segurado do INSS após 2002 pode pedir revisão de auxílio-doença
[ + ] Cinema indenizará cadeirante impossibilitado de assistir filme.
[ + ] SÚMULA DO TST DETERMINA A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA DA TOMADORA DE SERVIÇO
[ + ] Inquilino preterido na venda do imóvel pode pedir reparação mesmo sem contrato averbado
[ + ] A SILVELLO ADVOCACIA POSSUI CONVÊNIO COM ASSOCIAÇÕES
[ + ] Homossexual discriminado no trabalho será indenizado por assédio moral
[ + ] Seguradora deve indenizar pais de nascituro morto em acidente de trânsito
[ + ] Hotel deve pagar R$ 280 mil a homem que perdeu a esposa em acidente
[ + ] Atendente ganha adicional de 100% para intervalo intrajornada
[ + ] Reconhecido vínculo empregatício em contratação de cooperativa
[ + ] Supermercado é condenado a indenizar trabalhador por danos morais
[ + ] DESAPOSENTAÇÃO – DIREITO DO SEGURADO QUE VOLTOU A TRABALHAR DEPOIS DA APOSENTADORIA.
[ + ] Aposentados pelo teto até 2003 podem entrar na Justiça para rever valor
[ + ] Empresa é impedida de rescindir contrato com trabalhadora aposentada por invalidez
[ + ] Funcionária assediada sexualmente pelo chefe é indenizada por danos morais
[ + ] Construtora não pode cobrar juros antes da entrega do imóvel
[ + ] Título de crédito comercial, quando consolidado em outro título, também pode ter natureza executiva



51 992.801.909 (51) 992.801.909
(51) 984.219.544
(51) 991.380.538

OAB/RS 70.207
Rua Felizardo Furtado 8 - Sala 4 - CEP.90670-090
Bairro Petrópolis - Porto Alegre/RS
Fone 51 3028.6929
contato@silvelloadvocacia.com.br
www.silvelloadvocacia.com.br