Notícias
Seguradora deve indenizar pais de nascituro morto em acidente de trânsito

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou, por maioria, o pagamento de indenização pelo Seguro DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) aos pais de um nascituro morto em um acidente de trânsito. A mãe, grávida de uma menina, conduzia uma bicicleta em via pública quando se envolveu em um acidente com um veículo automotor. A filha faleceu quatro dias depois, ainda no ventre materno.


No voto-vista, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino ponderou que o cerne da discussão jurídica situa-se em estabelecer se o caso se enquadra na expressão “indenizações por morte”, do artigo 3º da Lei n. 6.194/1974, que definiu com mais precisão os danos pessoais a serem cobertos pelo seguro. Consta no dispositivo: “Os danos pessoais cobertos pelo seguro estabelecido no artigo 2º desta lei compreendem as indenizações por morte, por invalidez permanente, total ou parcial, e por despesas de assistência médica e suplementares (...)”.


Segundo o ministro, a interpretação mais razoável da lei, centrada na proteção dos direitos fundamentais, “é no sentido de que o conceito de ‘dano-morte’, como modalidade de ‘danos pessoais’, não se restringe ao óbito da pessoa natural, dotada de personalidade jurídica, mas alcança, igualmente, a pessoa já formada, plenamente apta à vida extrauterina, que, embora ainda não nascida, por uma fatalidade, acabara vendo sua existência abreviada em acidente automobilístico”.


Com 35 semanas de vida intrauterina, nono mês de gestação, o ministro concluiu, com base em conceitos científicos, que a menina era plenamente hábil à vida pós-uterina, autônoma e intrinsecamente dotada de individualidade genética, emocional e sentimental. Sanseverino afirmou ainda que não vê espaço “para se diferenciar o filho nascido daquele plenamente formado, mas ainda no útero da mãe, para fins da pretendida indenização”.


O ministro entendeu que os pais da vítima seriam beneficiários da indenização, não herdeiros. Com isso, determinou que a Liberty Paulista Seguros S/A pagasse a indenização – acrescida de juros e correção monetária – e arcasse com as custas e honorários advocatícios do procurador dos autores, que arbitrou em 15% sobre o valor da condenação.


Acompanharam o voto do ministro Paulo de Tarso Sanseverino a ministra Nancy Andrighi, o ministro Sidnei Beneti e o desembargador convocado Vasco Della Giustina. Ficou vencido o ministro Massami Uyeda, relator original do recurso.


http://www.stj.jus.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=100683
Todas Notícias:

[ + ] AUXILIO-DOENÇA ou APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CANCELADOS
[ + ] Reajuste do FGTS gera defasagem de até 88,3% - Informe-se!
[ + ] Bancos e financeiras não podem terceirizar promotores de vendas
[ + ] Como fica o Divórcio em cartório com a Nova Lei?
[ + ] Restaurantes não podem ratear gorjeta de garçons
[ + ] É abusivo seguro que limita cobertura a furto apenas qualificado
[ + ] Decisão garante equiparação entre terceirizada e empregados da CEF
[ + ] SERVIDORES - Desconto em folha de servidor deve se limitar a 30% dos vencimentos
[ + ] Plano de saúde é condenado por recusar o custeio de internação
[ + ] Seguradora tem obrigação de indenizar por morte
[ + ] Telefônica pagará por mudança de plano sem aviso a cliente
[ + ] Segurado do INSS após 2002 pode pedir revisão de auxílio-doença
[ + ] Cinema indenizará cadeirante impossibilitado de assistir filme.
[ + ] SÚMULA DO TST DETERMINA A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA DA TOMADORA DE SERVIÇO
[ + ] Inquilino preterido na venda do imóvel pode pedir reparação mesmo sem contrato averbado
[ + ] A SILVELLO ADVOCACIA POSSUI CONVÊNIO COM ASSOCIAÇÕES
[ + ] Homossexual discriminado no trabalho será indenizado por assédio moral
[ + ] Seguradora deve indenizar pais de nascituro morto em acidente de trânsito
[ + ] Hotel deve pagar R$ 280 mil a homem que perdeu a esposa em acidente
[ + ] Atendente ganha adicional de 100% para intervalo intrajornada
[ + ] Reconhecido vínculo empregatício em contratação de cooperativa
[ + ] Supermercado é condenado a indenizar trabalhador por danos morais
[ + ] DESAPOSENTAÇÃO – DIREITO DO SEGURADO QUE VOLTOU A TRABALHAR DEPOIS DA APOSENTADORIA.
[ + ] Aposentados pelo teto até 2003 podem entrar na Justiça para rever valor
[ + ] Empresa é impedida de rescindir contrato com trabalhadora aposentada por invalidez
[ + ] Funcionária assediada sexualmente pelo chefe é indenizada por danos morais
[ + ] Construtora não pode cobrar juros antes da entrega do imóvel
[ + ] Título de crédito comercial, quando consolidado em outro título, também pode ter natureza executiva



51 992.801.909 (51) 992.801.909
(51) 984.219.544
(51) 991.380.538

OAB/RS 70.207
Rua Felizardo Furtado 8 - Sala 4 - CEP.90670-090
Bairro Petrópolis - Porto Alegre/RS
Fone 51 3028.6929
contato@silvelloadvocacia.com.br
www.silvelloadvocacia.com.br