Notícias
Título de crédito comercial, quando consolidado em outro título, também pode ter natureza executiva

Feita a renegociação e expedido o título de crédito comercial, ele constitui-se título executivo, não importando a origem da dívida anterior. Com base nessa interpretação da lei, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu parcial provimento a recurso interposto pelo Banco do Brasil e determinou, em um caso que questionou o uso de papéis semelhantes para o pagamento de débitos, o retorno dos autos de um processo ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) para sua continuação.

A história foi iniciada porque, em decisão que trata de embargos à execução de cédula de crédito comercial, firmada para renegociar débitos provenientes de cheque especial da empresa MS Sul Agência Marítima Ltda., naquele estado, o TJSC desqualificou a cédula de crédito comercial. O entendimento do tribunal catarinense foi de que haveria desvio de finalidade, uma vez que tal cédula seria utilizada para renegociar débitos de cheque especial, o que acarretou em decreto de carência da execução.

Ao ingressar com recurso especial no STJ para mudar a decisão do TJSC, o Banco do Brasil afirmou que não foi analisada toda a matéria constante das razões de apelação e destacou que, com a formalização da cédula de crédito em questão, foi firmado um novo acordo entre as partes. Os advogados do banco argumentaram, ainda, que “a eventual cobertura de saldo devedor em conta-corrente não desvirtuaria a finalidade da cédula de crédito comercial”, até mesmo porque os recursos teriam sido aplicados na atividade comercial das beneficiárias.

Renegociação

Em seu voto, o relator do recurso no STJ, ministro Aldir Passarinho Junior, deixou claro que toda renegociação de dívida constituída por intermédio de contratos não contemplados nos Decretos-lei n. 167/1967 e 413/1969 (que dispõem, respectivamente, sobre títulos de crédito rural e de crédito industrial), bem como na Lei n. 6.840/1980 (referente a títulos de crédito de natureza comercial) pode ocorrer por intermédio de notas ou cédulas rurais, comerciais e industriais.

E acentuou que, no processo em discussão, a cédula de crédito comercial foi usada para pagamento do contrato de abertura de crédito em conta-corrente que, inclusive, era utilizado pela empresa devedora, para fins comerciais. Conforme o entendimento do ministro relator, a Segunda Seção do STJ (à qual pertencem as duas turmas que tratam do julgamento de matérias de direito privado) tem adotado posição mais flexível no ensejo de preservar a efetividade do processo executivo.

“Não é o caso de se considerar descaracterizada a natureza executiva dos títulos assim formados, mesmo porque em tais hipóteses há evidente vantagem para o devedor, que se sujeitará, a partir daí, a encargos remuneratórios condizentes com a espécie, muito abaixo daqueles praticados para os demais contratos bancários”, disse Aldir Passarinho Junior. No julgamento, a Turma, em decisão unânime, acompanhou o voto do relator, que deu parcial provimento ao recurso para retorno do processo ao TJSC, com vistas à realização de análise de mérito das apelações apresentadas.

Superior Tirbunal de Justiça
Coordenadoria de Editoria e Imprensa

www.stj.gov.br
Todas Notícias:

[ + ] AUXILIO-DOENÇA ou APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CANCELADOS
[ + ] Reajuste do FGTS gera defasagem de até 88,3% - Informe-se!
[ + ] Bancos e financeiras não podem terceirizar promotores de vendas
[ + ] Como fica o Divórcio em cartório com a Nova Lei?
[ + ] Restaurantes não podem ratear gorjeta de garçons
[ + ] É abusivo seguro que limita cobertura a furto apenas qualificado
[ + ] Decisão garante equiparação entre terceirizada e empregados da CEF
[ + ] SERVIDORES - Desconto em folha de servidor deve se limitar a 30% dos vencimentos
[ + ] Plano de saúde é condenado por recusar o custeio de internação
[ + ] Seguradora tem obrigação de indenizar por morte
[ + ] Telefônica pagará por mudança de plano sem aviso a cliente
[ + ] Segurado do INSS após 2002 pode pedir revisão de auxílio-doença
[ + ] Cinema indenizará cadeirante impossibilitado de assistir filme.
[ + ] SÚMULA DO TST DETERMINA A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA DA TOMADORA DE SERVIÇO
[ + ] Inquilino preterido na venda do imóvel pode pedir reparação mesmo sem contrato averbado
[ + ] A SILVELLO ADVOCACIA POSSUI CONVÊNIO COM ASSOCIAÇÕES
[ + ] Homossexual discriminado no trabalho será indenizado por assédio moral
[ + ] Seguradora deve indenizar pais de nascituro morto em acidente de trânsito
[ + ] Hotel deve pagar R$ 280 mil a homem que perdeu a esposa em acidente
[ + ] Atendente ganha adicional de 100% para intervalo intrajornada
[ + ] Reconhecido vínculo empregatício em contratação de cooperativa
[ + ] Supermercado é condenado a indenizar trabalhador por danos morais
[ + ] DESAPOSENTAÇÃO – DIREITO DO SEGURADO QUE VOLTOU A TRABALHAR DEPOIS DA APOSENTADORIA.
[ + ] Aposentados pelo teto até 2003 podem entrar na Justiça para rever valor
[ + ] Empresa é impedida de rescindir contrato com trabalhadora aposentada por invalidez
[ + ] Funcionária assediada sexualmente pelo chefe é indenizada por danos morais
[ + ] Construtora não pode cobrar juros antes da entrega do imóvel
[ + ] Título de crédito comercial, quando consolidado em outro título, também pode ter natureza executiva



51 992.801.909 (51) 992.801.909
(51) 984.219.544
(51) 991.380.538

OAB/RS 70.207
Rua Felizardo Furtado 8 - Sala 4 - CEP.90670-090
Bairro Petrópolis - Porto Alegre/RS
Fone 51 3028.6929
contato@silvelloadvocacia.com.br
www.silvelloadvocacia.com.br